Translation

sábado, 19 de julho de 2014

Luiz Sávio de Almeida. It was fascination, I know

it was fascination, I know

Clique para ouvir:
 O som da velha 78 rotações: Carlos Galhardo
Os sonhos mais lindos sonhei,
De quimeras mil meus castelos ergui
E no teu olhar, tonto de emoção,
Com sofreguidão, mil venturas vivi.
O teu corpo é luz, sedução,
Poema divino cheio de esplendor.
Teu sorriso prende, inebria, entontece,
És fascinação, amor.
A sorrir, a cantar e a beijar
Nossas bocas se uniam, então.
E os campos, sorrindo, viviam
E, nos vendo, as flores se abriam.
Mas, um destino mau certo dia chegou
E sem o teu meu coração ficou.
Hoje, sombra sou do que fui,
Minhas ilusões o destino levou.
Nada mais existe desde que partiste
E em meu coração só saudade ficou.
Vivo com o passado a sonhar,
Vendo-te, ainda, em meu coração.
Mas tudo promessas, quimeras, mentiras
Da tua fascinação.
 

Por anos a fio,  ouvi Carlos Galhardo, cantor da maior intimidade de meus pais; vez  em quando, um cantarolava  alguma valsa, algum bolero. Por causa deles, dos velhos, , estando certa feita em João Pessoa fui vê-lo em uma boate na praia.  Galhardo  estava velho, mas ainda portava uma aura de galã; o tenor meio trêmulo conseguiu puxar os versos  da encantadora  Fascinação.  Isso deve ter sido perto de sua morte:  blazer,  gravata, o rosto atolado em maquiagem,  bigode e cabelo teimosamente pretos.  Com pouco tempo, deve ter morrido; ele faleceu em 1985 e nasceu em 1913.  Era  argentino de Buenos Aires. Estava ali, encostado numa boate-meio-quase-churrascaria, um dos mais importantes nomes da Era do Rádio neste país.  Seus pais eram italianos e Carlos Galhardo era Catello Carlos Guagliardi.

 Veio para o Brasil com dias de nascido, e então  segue para São Paulo e termina por bater com os costados no Estácio no Rio de Janeiro, onde vai se tornar alfaiate, e é em 1935 que se tem o início de sua carreira cultuada no Brasil;  ele era um cantor que falava de amor e, com isto, cativava uma geração de tendência romântica, como se as mudanças no país não tivessem atrapalhado a estética da modinha que englobava  beijos velados a se fazerem tenazes no imaginário. O caminho começa com Cortina de Veludo e pouco a pouco foi se criando O Cantor que Dispensa Adjetivos, atuando nas grandes gravadores da época, desde os tempos das 78 rotações, no modelo que imperou até a altura dos anos 50. Ele é vencido pelo famoso long-play que cabia muita música e era mais fino, muito mais difícil de quebrar e com melhor qualidade de gravação. O pesadão era o de 78 rotações e 14 polegadas.

Quando eu era menino, assim por uns 18 anos, ouvi dizer, várias vezes, que o de 78 era feito com cera de carnaúba do vale do Açu no Rio Grande do Norte. Lembro quando o long-play entrou e o primeiro que vi foi em Palmares, Pernambuco. Passa tempo e aparece a primeira radiola lá em casa: era a Flor de Liz da RCA Victor. Tenho o móvel. Era um belo móvel de imbuia. Dentro, o pick-up e o rádio, além de visões para colocar os álbuns de disco.  A radiola ainda não era uma cois comum e estou falando em 1958. Os amigos se visitavam levando long-play para ser ouvido. Alguns chegavam a ter o disco, mas não tinham como tocar e levava na casa do amigo. A juventude já começava a ouvir os acordes do rock, mas o pessoal da Era do Rádio ainda pontificava.

Foram muitas as músicas cantadas por Carlos Galhardo que ficaram em minha memória, desde a tenra idade em Penedo, quando era ouvido em um Zenith com ondas média, larga e curta e um olho mágico que ajudava na sintonia fina, com a antena imensa passando por cima do telhado e danando-se para o fundo do quintal.  Carlos Galhardo fazia parte do que vou chamar de sons e tons de uma cidade, no caso, a Penedo de minha infância. Carlos Galhardo se confunde com o que chamarei de recordações dos sons penedenses, pois ele viva nas raríssimas casas que teriam um pickk-up  e menos ainda radiola, nas inúmeras casas com rádio, nas festas de rua pelos serviços de auto falante e na seleção que tocava nos cinemas, mormente, nas soiré.

Clique para ouvir Elis Regina
 https://www.youtube.com/watch?v=cjNFHV2mxAg 

Antes de começar o filme, as pessoas sentavam e ficam conversando, em um papo, ouvindo música e à espera da terceira chamada, quando então tocava o que era chamado de prefixo do cinema. Lembro que em um deles, tocava a Aquarela do Brasil e no outro parece que Delicado. Você jamais consegue desalojar os sons de sua cabeça; eles fazem parte do cotidiano e são das mais diversas formas e valia. Carlos Galhardo não começou e terminou em Penedo; anda comigo pela vida e está aqui quando penso em sons de Penedo.  Eu não sei quando Fascination entrou nos meus ouvidos que jamais se libertaram da melodia. Possivelmente, eu comecei a ouvi-la a partir de uma versão inglesa que, comparada à em português, praticamente nada tem em comum.  Quem sabe, ela não seria bem diferente da sua feição inicial, composta em 1905 na França por Fèraudy e Marcheti.
 


Fascination


 It was fascination
I know
And it might have ended
Right then, at the start
Just a passing glance
Just a brief romance
And I might have gone
On my way
Empty hearted

It was fascination
I know
Seeing you alone
With the moonlight above
Then I touch your hand
And next moment
I kiss you
Fascination turned to Love
Clique para ouvir Cole
https://www.youtube.com/watch?v=fQknNaxLAaA

A primeira versão brasileira foi gravada em 1943 por Carlos Galhardo e era de  de autoria de Armando Louzada e nada tem com a versão para o inglês:  são duas poesias diferentes para uma mesma melodia, mas ambas guardam aquilo que me fascina em Fascination: o tom nostálgico e o adocicado das cordas quando diz que o cara sabe que é fascintion.  Ninguém pode esquecer, a interpretação dada por Elis Regina. Ela desfaz de uma forma sutil, toda a ideia da construção francesa e da construção americana, para dar uma tonalidade nossa a este lamento de amor.
Antigamente, como não havia a profusão das lojas de confecção, rara a casa de classe média que não tivessse o que se chamava de quarto de costura e, no mínimo, um lugar de trabalho onde ficasse a máquina de costura.  Lá em casa era uma Singer, comprada à prestação ainda quando meus pais moravam em Quebrangulo. Minha mãe costurava e bordava pedalando a máquina que, em Penedo e na rua da Penha, ficava na varanda. Não era raro ouvir uma voz a se dizer maviosa,  infiltrando-se no meio dos ruídos das pedaladas, a linha enlaçada a brotar da carretilha. A voz em falsete falava de um modo extremamente delicado: Is sonhos mais lindos sonhei.

A máquina se encontra comigo e fica à esquerda da porta do meu quarto. Passo por ela e vez em quando me lembro da Fascinação, sinal de que, realmente, os  sons se agarram em nosso cabelo.

 São muitas as músicas  cantadas por Carlos Gargalhado e que eu ouvia rebatidas dentro de casa. Já falei no Salão Grenat e agora lembrei-me de uma que retinha toda a condição de uma cavernosa modinha: A pequenina cruz do teu rosário:

Clique
 
 A pequenina cruz do teu rosário


Agora que eu não te vejo ao meu lado
A segredar apaixonadas juras
Busco às vezes do nosso amor de outrora
A recordar nossas íntimas loucuras
Faz tanto tempo, nem me lembro quando
A vida é longa e o pensamento é vário
Tu me mostravas vil, no idílio santo
A pequenina cruz de teu rosário
E sempre que eu a via, recordava
Do nosso amor, a fantasia louca
Todas as vezes que a pequena cruz beijava
Eu beijava febril a tua boca
Mas o tempo passou triste eu segui
Da minha vida um longo itinerário
E nunca mais, nunca mais eu vi
A pequenina, a pequenina
Cruz de teu rosário.


Como os dois faziam amor? Eu não consigo imaginar como seriam as íntimas loucuras, mas posso entender que o pensamento é vário a vida  é longa e vário dá uma rima imediata com itinerário É incrível o que se evidencia nesta história de vida, com a cruz tornando-se intermediária de algo essencialmente erótico. O Salão Grenat era um outro tchan. Era a volta ao ninho onde existia uma felicidade que foi jogada fora. Sofisticada no ninho francês, preenchida de música e perfume, a felicidade poderia refazer-se: 

Clique o Salão Grenat 

Quero negar que é saudade,
Chamando curiosidade
O que estou a sentir.
Abro a porta, temeroso...
Do impossível, esperançoso:
De te ver a sorrir!
Num salão Grenát
Paira pelo ar
Nota esmaecida.
Um perfume teu
Resto da canção que foi minha vida
Triste em solidão
Teu piano está como eu estou
Sentindo aumentar
Da saudade a dor
De quem me abandonou
Sei que hás de voltar
Ao salão Grenát
Que era o nosso ninho
Tornarás a ter todo meu amor
Todo o meu carinho
Sei que voltarás
Pois hás de lembrar
Que foste feliz
Nunca houve alguém
Que quisesse o bem
Que eu sempre te quis. 


Muitas e muitas músicas de Carlos Galhardo ficaram gravadas e tudo decorria de meu pai e de mimha mãe, especialmente depois que foi comprada a Flor de Liz que não era RCA como afirmei antes, mas Standard Eletric. Discos comprados em Palmares, em Recife e em Natal. Sempre, aqui e ali, Carlos Galhardo. 
Como separá-lo de minhas recordações de vida? Acho que a música é um botão de start para muita coisa, incluive para relembrar

Um comentário:



Nenhum comentário:

Postar um comentário