Translation

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Memória e história familiar II


Minha caderneta de  lembranças e pendências com a vida (III)


Luiz Sávio de Almeida


Sumário

Onde se retorna a  Mariquinhas e milagres
Onde se fala em Mariquinhas e na Santa Luzia
Onde se fala em saudade
Onde se fala no  direito de ter saudades
Onde se confessa que a santa foi largada  
Onde se fala de poucas ruas calçadas


     

Onde se retorna a  Mariquinhas e milagres

               Mariquinhas  morre e segundo se disse, todos os bois choraram no pasto e no reservo, com  saudade da Sinhá. Era isto que se contava e várias vezes ouvi quando menino. Veio escravo de tudo quanto era canto e eles ficaram ali, em pranto, enquanto se dava o velório e tinha-se o enterro, seguramente de uma pessoa santa. Não sei se o Dindinho Néo casou novamente: acho que não.   Quem sabe se amigou? Também, nem sei a idade dele quando ficou viúvo... Aqui,  do meu velho banco de pelar porco nunca recebi notícias do fato, nem por conversa,  nem por carta, portador ou pela Voz do Brasil,  onde a mentira é oficialmente dita no Brasil, especialmente no dia 1º de Abril, tradição que dizem ter vindo da França.
               Penso em Mariquinhas como pessoa tranquila, cabelo grande, e que deveria saber flutuar no encanto de seus negócios com Deus, suas novenas e missas cantadas. Sua capelinha deixava a paz para a oração, bem próxima de si mesma e a devoção à Santa Luzia demonstrou o quanto os santos estavam atentos para com sua fé e para com os negócios do mundo.   A narração de seu enterro era, ao mesmo tempo, sua entronização no céu. Uma sinhá tinha o que deixar para ser amado pela família. E Mariquinhas era a virtude em pessoa, nas recordações de minha casa, na boca saudosa de minha mãe, no meio das histórias maravilhosas que ela contava sobre a Capela.
              
Onde se fala em Mariquinhas e na Santa Luzia

Ali mesmo no engenho deram-se milagres e um deles foi de pompa e circunstância, com a Santa impaciente, pois se havia quebrado o preceito de guarda. O dia de guarda não precisa de decreto: é uma encomenda do modo como a fé semeia bentinhos na alma. Não existia uma festa de guarda para Santa Luzia no engenho da Mariquinhas, mas não era preciso pois o braço da hierarquia pouco poderia chegar tantotãolonge culturalmente, resolver as manifestações de fé e, na  Capela respeitava-se a santa dos olhos e no engenho também. Talvez não se guardasse como se dava  o majestoso de um Corpus Christi, talvez o dia mais denso de festa que se faz na  Santa Madre, uma festa que toca na própria eucaristia e que veio das trevas do Monte das Oliveiras. Acho que as mais belas referências a este Corpo sempre são dadas no Evangelho de João.
Aí, voltando ao engenho,  existia uma pequena olaria e tudo funcionava normalmente, produzindo tijolo e telha. Uma pessoa que trabalhava, resolveu quebrar o  preceito e fazer tijolo no dia de Santa Luzia. Como demonstração do mau sucedido e pela manhã do outro dia, tudo estava  pisado e não ficou um que servisse para qualquer coisa. A Santa  não tolerou o desrespeito.  Aliás, tempos depois, na Capela,  deu-se uma nova demonstração de desagrado da Santa Luzia, nascida em Siracusa; na verdade era um pecado dos piores,  trabalhar no seu dia em estilo de guarda, de observância.  O desavisado e pecaminoso   fez telha e tijolo     e nem-nem com a desfeita que não era propriamente à Santa, mas ao sagrado da guarda. Pois lá foi ele e resolveu acender uma vela no alto da Igreja. Ninguém até hoje sabe como, mas o espermacete caiu nos olhos dele e queimou que quase cego  ficou, sendo feio o urro soltado na dor que cobrou a desfeita. Não é brincadeira,  o pingo da vela derretida batendo nos olhos.
               Sem dúvida, era uma história exemplar: não se pode brincar com os santos, como se nada acontecesse. O espermacete fecundou a dor do pecador. A baleia do mar alumiava a capela capelense, um cachalote ajudava a dizer que existe um código e um sistema a ser mantido. Moby Dick poderia desta forma, viver em uma Alagoas que se dimensionava, também, pelas libras de vela,  enquanto o pobre usava o murrão, o tosco pavio de algodão mergulhado no azeite de carrapato, posto em uma quenga de coco a gerar o tremeluzente ou, usando uma palavra engraçada, bruxuleante.  Existia esta espécie de santos óleos de pobre; batizado que foi de pobre, crismava-se no cotidiano da miséria. Aliás, e lá vem pelo mundo da Mariquinhas, o povo da Capela usava um provérbio sábio: “Os mijos de padre, não são santos óleos!”. Resguarde-se, portanto, a Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo das fraquezas humanas de seus sacerdotes.


Eu e minhas irmãs na casa do meu pai





Como se pode ver, se os peixes não tivessem e fizessem sexo,  pouca luz teríamos nos tempos da Mariquinhas e era tudo caro. Talvez de tudo isto, tenha derivado o tratar à vela de libra, mesma coisa que, versando culinária, seria tratar a pão de ló, bolo que alguns atribuem à invenção de um cozinheiro italiano e aí vem toda a história do Pan di Spagna.  Até os bolos não podem viver a própria solidão na história.
               Pois bem, coitada da Santa: dentre as razões de sua santidade existia a de ser virgem. Sofreu perseguição por isto e nunca casou. Bem que podia ser a santa das vitalinas. O cara que queria manter laços de matrimônio com ela,  terminou por iniciar uma perseguição e ela findou decapitada. Sem qualquer  vontade de ser engraçado, era a única forma dela perder a cabeça com alguém. Luzia vem de luz. Antes de ela morrer, coitada, em seu martírio, preferiu arrancar os olhos, preferiu não ver a negar a fé.
Quando cortaram a cabeça dela, a moça era defunta  por sua afirmação de fé. Deu tudo aos pobres, esta gente que anda pelo mundo e nem sabe como. Foi decapitada  nos tempos do Imperador Diocleciano. Era o senhor Caio Aurélio Valério e o engraçado é que Diocleciano significa qualquer coisa como Glória de Deus e, mais engraçado ainda, é estar nas minhas lembranças de vida pela sua fúria imperial  e pela virtude da donzela de Siracusa, que vive também na beira da lagoa, entronizada na senhorial e bela igreja matriz de Santa Luzia que, agora,  é a do Norte referência na geografia da religião à Alagoas do Sul.
A grande intimidade de Santa Luzia comigo, sempre esteve nos meus olhos e em especial quando caía um argueiro. Sempre achei argueiro uma palavra solene e bem melhor do que cisco para expressar o incômodo sofrimento do cristão padecer de arranhado nos olhos.  Toda a palavra que termina em eiro parece ter um gosto especial. Como foi versátil o sufixo latino arius. Engraçado é o que aconteceu com eira, como se o feminino indicasse o lugar onde se coloca: o sapateiro faz sapato, a sapateira é onde fica o sapato, como a saboneteira é onde fica o sabão. Sabão arde muito quando entra nos olhos e minha mãe me ensinou: Passe sabonete com os olhos fechados!
Veja só: teve vez que saiu o argueiro e era sempre pelos cantos dos olhos. Um argueiro arranhento é de baixa qualidade, coisa que chateai. Era massagear, pedir à Santa Luzia e jogar água. Ainda tinha o recurso de outra pessoa dar um sopro no olho abertão e ver se o argueiro corria para o lugar de onde veio: o meio do mundo. O que era um cisco? Quem sabe bem é a galinha que vive ciscando ou, pelo menos, que vivia, galinha acabou: tudo hoje é frango.

Onde se fala em saudade

Uma doença terrível varreu Arapiraca. O povo chamava de dor d’olhos e, também, de uma forma mais nossa de todos os dias: pestana roída,  outra peste chata, mas eu nunca tive. Quando eu era menino, assim dos meus sete a oito anos, ouvia dizer que o povo de Arapiraca tinha a pestana roída: era o tracoma que vinha de um mosquito que dava no fumo, conforme se explicava. Uma pestana roída é muito feia. O povo dizia que o mosquito pousava em olho doente e saía para um sadio. A Eurapiraca de hoje, não sabe o que ela é: sabia da pestana roída, a do tempo da Cruz da Moça, a bem dizer nas alturas do caminho que ia para a Lagoa do Peleve, onde  moraram Tia Nini e Tio Lourenço.
 Hoje, o Peleve está dividido: o Novo e o Velho. Pareço saudosista? Sem dúvida que sou do Peleve Velho, aquele aonde eu chegava rodando em cima de barro. Hoje, somente mora no Peleve um primo meu, filho do Tio Lourenço, o Jassuamim. Estamos com um Old Peleve e um New Peleve e num logo-logo, peloruge-ruge moderno, na encruzilhada, pararemos em um fast food que se vem popularizando pelo interior, especialmente nas franquias das conveniências penduradas nos postos de gasolina, que por sua vez, substituíram as antigas bombas de manivela. A conveniência encontrou, nos postos de gasolina, um lugar for your convenience.
Não é substituto das antigas bodegas; elas foram sendo substituídas pelos mercadinhos.  A Conveniência é um complemento do posto por conveniência do proprietário e tornaram-se presas das franquias. As bodegas que marcavam posição nos bairros foram para as cucuias, desapareceram, como  a bodega do Seu Praxedes na Pajuçara, famosa, tinha de tudo e era a mais desorganizada de todas as organizações. Bodega tinha diversos significados e no dizer de Constâncio, era uma taverna volante, igual às  que se tinha nas feiras. A que eu conheci ao me fazer gente, foi a de Seu Cazuza em Penedo. Nada tinha de volante e nem servia comida, encravada na Rua da Penha, o balcão, o papel grosso de embalar sabão, mas que servia, também, para a quarta de  ceará.
A bodega mudou de significado; os sentidos mudam. Os lugares também mudam de significado e nossos mapas mentais não correspondem à cartografia oficializada. Passo pela Lagoa do Peleve, lembrando-me da Dindinha Nini e do Padrinho Isais e o passado parece rebrotar, embora eu saiba que tudo se encontra no fugidio da lembrança. Vezes que eu ficava na casa da Tia Nini; jamais poderia ir à Arapiraca sem procurá-la e ver seu sorriso carinhoso abrir-se. Quando eu conheci Tio Isaís, ele era administrador do Pitimiju, cujo nome era de madeira e de riacho, e ficava na frente da entrada para o Riachão do Cipó e de onde se avistava o Monte Verde de meu bisavô, o velho José Francisco de Almeida. Ficava no caminho do Arrasto de Santa Efigênia, pasto do Paraibinha, que meu pai dizia ser cheio de ingazeiras. Tio Isaís, mal o dia balançava suas cores, pegava o cavalo, caminhava para o Pitimiju e chegava tardezinha para tomar seu banho, jantar e prosear mais papai. Mais para a frente do Pitimiju, corria a Serra da Lagartixa, paredão bonito e logo o Arrasto, antigo engenho, e povoado por onde vadeou o Capitão Antônio de Almeida Braga: Arrasto de Santa Efigênia.
A Etiópia por via da colonização nos trouxe Santa Efigênia para um dos pequenos morros da mata em Alagoas; ela estava  em Núbia, cidade pagã, quando São Mateus, poucos anos após a morte de Cristo, foi levar a notícia da salvação para aquele mundo. A história dela está sempre ligada a São Mateus e não sei como vieram parar pelos lados do Paraibinha, que passa em leito pedregoso  nos seus arredores. Tive uma bela amiga etíope e castamente chamava-se Salomé. O seu negro de pele era inusitado,  maravilhoso e sinuoso e, para ser sincero, quando eu olhava para ela, jamais recuperava a Santa Efigênia e nem Paraibinha e nem Pitimiju. Havia um amigo etíope (quem me apresentou Salomé) e ele me dizia: ”Cuidado com sua vida: os homens daqui não gostam da gente com as filhas deles”. Falava sobre os fazendeiros de Michigan, do cinturão do milho, famosos por serem wasp: brancos, anglo-saxônicos e protestantes, matriz da altíssima direita americana.
A expansão do cristianismo trouxe a Efigênia e deu-lhe um engenho possivelmente movido a água. O povoado assentou-se embaixo e depois passou para cima e com isto, a Igrejinha ficou de costas para as casas. É muito bonito o caminho que vai do Cajueiro  para o Arrasto, ladeando o Paraibinha e  terras altas. De lá, passando pelo São João, a descida é fácil para as bandas da Cabeça de Porco e isso facilitou as manobras do Capitão Antônio de Almeida Braga nos dias da Revolta da Imperatriz.  Aliás, seguindo direto a entrada para as terras do Riachão do Cipó, onde já houve até uma feira grande,  bem na frente do Pitimiju, se vai para o Pacaviral do Agnelo e de lá se desce para o João Paulo.
Que bela poesia fez o primo Natalício de Almeida para o Pacaviral do primo Agnelo, todos falecidos. Era sobre as excelências da coalhada que se comia. Havia um quê místico de utopia nos versos breves sobre a coalhada, versos que ele, Natalício, quando vivo, bem dizendo, recitou para mim no portão do cemitério da Capela. Saudades do Agnelo e de sua mulher, os dois sentados ali, naquele mundão de paz e sossego que era a varanda da casa. Levei para mim, certa feita, um belo vidro cheio de café torrado e plantado ali mesmo.  Saudade do Natalício que grudava em mim na Capela  que tinha um naco da orelha arrancado mediante bala numa mata fechada. Eram dois a fazer desfeita num dia de caçada. Nada mais certo: um dia é da caça e o outro é do caçador. Natalício correu para a João de Deus e ali ficou na proteção do Coronel. O nome da Usina parece dia de visita de Papa.
Falando nas margens do Paraibinha, deu saudade do ingá; coisa gostosa, especial sendo caixão. Ingazeira sumiu como alguém, que vai a um pagode e não tem mais torna para casa. Quando era no tempo certo, nas feiras aparecia quem vendia o molho. É muita fruta que o açúcar destruiu. Se for lembrar, dá uma lista grande. Sumiu e peluche, sumiu isto, sumiu aquilo e viveu a cana e eu nunca mais vi um maracujá de cobra e coisas assim que não eram de primeira grandeza, mas enfeitavam este mundo imenso das Alagoas de meu Deus. Nossa, o ingá era uma delícia com seu branco aveludado e seu gosto doce que ia tomando gentilmente o céu da boca.  

Onde se fala no  direito de ter saudades

Na certa não sou um saudosista, mas sinto o sumiço do que me foi caro na vida. Não gosto de ver a casa que foi da Tia Lurdes e do Tio Waldomiro ter sumido no crescimento. Não gosto de ver o vazio do mercado da farinha que tanto me encantava, na mistura de farinha e às vezes salão de dança. Não gosto de sentir o desaparecimento do armazém onde aprendi a fazer manoca de fumo.  Pesa em mim, o sucedido com a  Cruz da Moça, um marco de aventura de bicicleta nas andanças com as primas Ivânia e Ieda.  A Eurapiraca passou o asfalto no meu passado. A feira acabou e a minha Arapiraca se transformou em uns poucos primos e cemitério de entes queridos. No entanto, por mais que lastime o asfalto, sei de sua necessidade. A maravilha do passado às vezes se desfaz no meio das razões do presente. Não é Santa Luzia? O que me diz, Santa Efigênia? Fico com os belos versos do Jorge de Altinho: a lembrança hoje é um sonho.
Era a minha Arapiraca da sorveteria Pinguim onde tomei muita cerveja, aquecendo os pés para a jornada de carnaval no Clube dos Fumicultores, cantado e pulando se a canoa não virar, eu chego lá. Salão grande, cheio de gente, não me lembro de ter visto encrenca, a mesa grande, minha Tia Lurdes capitaneando e mais atenta do que missionário que não quer que o diabo  chegue perto.  Também, tinha que estar atenta: carregava filhas, sobrinha e ainda tinha um sobrinho e um filho que entornavam todas: eu e meu primo e compadre Évio. Um dia, a tia observou um mal feito meu, e passou-me a bronca. Sentei-me meio murcho, esperando que ela tivesse sono, mas o quê? Quando dava na hora certa, e somente ela sabia qual, batia em retirada para casa.  Sei apenas, que perdi o assunto que me interessou de perto naquela noite; na outra, nem fui maluco de olhar para ver onde o pecado estava pulando.  Entendo com Alceu Valença que um diabo louro pode chicletizar total. E eu ali, um marmanjo com medo da tia de olhos de águia.

Onde se confessa que a santa foi largada  

             Voltando à santa que foi esquecida, minha mãe me ensinou a tirar argueiro dos olhos. O dedo deveria massagear o olho suavemente, para o argueiro caminhar para um dos lados e dizer com fé: Vai, vai cavalheiro, vai dizer a Santa Luzia para me tirar este argueiro! Às vezes dava certo. Faz é muito tempo que não sinto a chatice do argueiro; será que ele é somente do tempo de criança? Não sei, até que pode ser. Sei que esta tarefa de Santa Luzia, não condiz com o elevado de seu martírio.  É nobre, a função de tirar argueiro e proteger os olhos, ela que  perdeu os seus,  para testemunho de sua fé que sofreu os ataques de Caio Valério Diocleciano. A história dela tirar  os olhos,  desde muito era dita ser mentira, mas deixa a gente triste assim mesmo. Imagine a cena grotesca da bela e virtuosa donzela arrancar seus olhos, o que deve ter sido, com certeza, com uma faca.
Disto, Seixas chamou a atenção de seus leitores, ainda em 1718, quando fala que os antigos biógrafos de santo jamais mencionaram o fato e que, dentre os modernos, apenas um trouxe a afirmativa. Seixas tinha a autoridade que lhe era dada pelo honorífico de Cônego e por ser Lente Jubilado na Sagrada Teologia. Deus pediria tanto à casta donzela em afirmação de fé? Mutilar-se desta forma? Imagine a aparência, com os dois buracos no rosto, ela que era tão formosa? O fato é que Seixas comenta: de fato, seus retratos trazem a formosura e o trágico: ela com uma salva de prata, a carregar seus olhos.
Acho que é raro o santo ta que não sofreu pesada perseguição do poder, no que falo especialmente dos primeiros momentos de expansão, do ganho universal do cristianismo. Aí está uma coisa essencial: há tempo em que o poder era inimigo dos santos e há tempo em que o poder legitima os santos, quando então, a benção papal se dá urb et orbe, com a fundada ideia do católico, do universal em modo diferente do que foi nos princípios da expansão, do qual temos uma bela coleção de cartas no Novo Testamento. Pois é Seixas que em sermão pregado na casa da dita Santa em 1705 traz uma bela reverência à jovem que era de Siracusa: Luzida virgem, esclarecida martyr.
Além de cuidar dos nossos olhos, ela é o orago de Santa Luzia que foi a Vila da Alagoa do Norte e tem a facilidade de ver os pecados de Maceió que fica bem em sua frente. Nem olha para a esquerda e nem para a direita, firme no altar e  a sentir a imensidão da lagoa vista da altura de sua Igreja na pequena colina. Será que ela pode ver? Sei que o jesuíta Manoel do Reis pode dar uma pista para a imagem que se constrói ao afirmar-se que nossa Santa arrancou os olhos. Estamos diante de seus sermões publicados em 1724, em Évora. Esta foi a ação mais dificultosa por ela praticada. Devemos imitá-la, segundo ele afirma, com todo seu arroubo de orador sacro e que deveria ter belos, ilustres e consagradores sermões, além de não gostar d’olhos.
Mais ou menos nesta época, Bluteau nos traz um registro, que mostra como a sabedoria dita popular toma este contencioso siracusano e constrói seus adágios, que devem, por sinal, serem antiquíssimos. Bluteau escreve em 1728 e menciona três adágios, e confesso, nunca os ouvi e-quem sabe?– não seria uma construção popular que cai em desuso, perdurando para a santa a tarefa da proteção aos olhos. A culinária tomou o martírio e transformou em sabor, criando-se um doce chamado Olhos de Santa Luzia, feito com açúcar queimado e ovos, dando-se a forma arredonda d’olhos. É uma comida trágica pois junta o martírio com uma queimadura e a humanidade é tão mesquinha que ainda grita: delícia!
Existe uma belíssima oração transcrita por Pereira, onde ao mesmo tempo se desenha o espanto, o sagrado e a dúvida:
Cadê o garfo que furou
Os olhos de Santa Luzia?
Lá pro céu ela foi cega,
Senhora Santa Luzia !  

Onde se fala de poucas ruas calçadas

Mas,  apois bem, conheci Arapiraca com poucas ruas calçadas, desde o tempo da Força e Luz do Waldomiro, a mandar energia pelo cair da noite, o motor funcionando e alumiando.  Ali na Praça da Prefeitura, nem fiu de calçamento. Andávamos de bicicleta por ali, pela frente dos Correios... Se não me engano, nem a rua do Grupo Escolar era calçada. A água era mais do que salobra; não havia sabão e nem sabonete que fizesse espuma.  Era um banho engraçado, frio feito as seiscentas... Lá no fundo da casa da Tia Lurdes tinha uma cacimba e um tanque. A água do tanque matava de frio e eu nú e tremendo e minha mãe jogando balde d’água. Frescura de frio; eu tinha era que tomar banho e bem tomado e mostrar que havia tirado o godô, o grude detrás das orelhas. Depois veio a água do São Francisco que era um flozô, doce, espumenta, uma beleza de banho, mais fácil de tirar o resultado das andanças que misturavam chãos e poeira.

Referências
Junto ao texto manuscrito encontrava-se a referência que segue:
CONSTÂNCIO, Francisco Solano.  Novo dicionário crítico e etmológico da língua portuguesa. Paris: Oficina Graphyca de Casimir, 1836.
PEREIRA, José Carlos. O encantamento da Sexta-Feira Santa:  manifestações do catolicismo no folclore brasileiro. São Paulo: Annablume, 2005.

REIS, Manoel dos. Sermoens do padre Manoel dos Reys da Companhia de Jesus...Évora: Oficina da Universidade, 1724.

SEYXAS, Joseph da Natividade. Medalha Evangelica Laurada na frente com a rosa alexandrina de Santa Catarina martyr... Liosboa:  Officina de Antônio Pedroso G



Nenhum comentário:

Postar um comentário