Translation

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Memória e cotidiano; a trágica morte do Cabo Leobino

Uma boa conversa na Churrascaria do Telmo em Capela. Geraldo, eu, Almeida e Telmo que é casado com gente minha do Pacaviral; já o Geraldo tem ligação pelos Melos.


          
Luiz Sávio de Almeida. A triste história do Leobino. 

Memória e cotidiano. 
          Eu não sei viver sem Capela; embora não seja de lá, eu sei que sou. Meus pais e minha família vêm de lá e os ramos são Almeida e Albuquerque. Os Almeidas são fáceis de rastrear, pois chegam, a meu ver, com o Terço de Domingos Jorge Velho; os Albuquerques, segundo a minha mãe, teriam vindo do sertão de Pernambuco, Belo Jardim; por conta de uma seca, compraram terras e se arrancharam, naquelas bandas. 
       Pois não é... Meu pai e minha mãe por onde andavam, carregavam a Capela de banda e lá vinham histórias maravilhosas que deixavam longe as de Trancoso ou do Arco da Velha; minha mãe chamava dos dois jeitos. Esse Trancoso foi um cara de primeira; ainda hoje anda vivo embora suas histórias estejam por um fio de cabelo. O Dr. Trancoso é tradição desde 1575 e, portanto, veja só quanto tempo.


      
  Tome este caldinho, é bom: dá sustança. Se tomar quente, dá na fraqueza e você vai suar mais do que tampa de chaleira. Agora o bicho é bom; quando eu era pequeno, diziam: é da pontinha da orelha.
Neuton, dono do caldinho

     Em Capela tem o melhor caldo de feijão do mundo. Vai gente de longe tomar  e somente abre pela manhã indo ao meio dia e depois fecha. Tem o caldo de feijão e o de galinha. Quando a pessoa chega, já tem carro na porta esperando abrir. Não tem mesa que é para não se beber muito. Mas o bicho é bom de fazer gosto. Faz é tempo; chega ter placa na cidade indicando onde fica o Caldinho. Deu meio dia,  fecha, pode ter Juiz, Delegado, Prefeito, as autoridades todas do Município, mas ali é área emancipada e ninguém vai brincar de ficar, quando o dono quer é descansar. E nada pode existir sem uma certa ordem.

       O Bar fica no defronte da estação do trem de ferro; Capela está no ramal que vai para Palmeira dos Índios. Meu pai contava como a estação ficava na chegada do trem; tinha gente que saltava,  que embarcava, tinha gente que somente ia ver. E ele falava sobre  o caso do pobre Cabo Leobino, coisa do tempo em que Costa Rego era Governador. Costa Rego inventou de mandar desarmar o povo e o Cabo Leobino no cumprimento de sua missão, desarmou logo quem? Nequinho Moreira, gente da alta, cunhado do Coronel Zé de Almeida (meu tio). E isso era uma desmoralização de primeira. Pois ora, pois bem!

      Leobino devia estar sendo acompanhado, visto por onde andava, pessoa esperando a hora certa, deixando passar o disse-que-disse  e assim foi tudo acontecendo. Vai que um dia, perto da estação, Leobino sentiu vontade, viu um matinho nos lados bem ali, decidiu dar de corpo, arriou as calças e ficou de cócoras no apronto da cagada.  Mas veja só... O homem marcado ficou assim de tal forma desprevenido e foi aí  que peiiiiiiiiiii! A bala do rifle pegou lá nele que varou foi todo, espalhando sangue na meio  merda, no meio da dita cuja morreu com os olhos esbugalhados, deixando o mato salpicado.
Bar da pata, Maceió

      Meu pai contava isso e pasme amigo, ele achava graça, mostrando que as tragédias têm um quê de humor. Ele explicava a razão de rir: não era com a morte mas com a narrativa. Querendo ou não querendo, a narrativa acentuaria o trágico da morte sobre o que eu poderia chamar de ridículo associado ao baixo corpo: a merda. Ainda tenho a velha caderneta amarelada, com a anotação desta tirada de papai. Quando inventei de escrever teatro, seguramente utilizei. 
      Ele aproveitava e me passava umas lições; vamos ver se lembro de algumas delas; a) rato você acaba com ele de certa distância, se apertar o rato, ele, por desespero, voa em você e dentada de rato é pequena mas faz estrago; b) se  tiver de matar uma cobra, só acabe quando arrancar a cabeça, sabe lá se a peste num invivece; c) cemitério não é lugar de descanso, descanso é em espreguiçadeira; d) nunca dê uma boiada para entrar numa briga e quando você encontrar um valente, o melhor que você faz é correr mas se não tiver jeito, o valente tem que ser você; e) já vi muita gente morrer quando foi abrir cancela e por aí seguia o cancioneiro de Manoel de Almeida, o gente fina do meu pai.
       Mas o povo da Capela foi impiedoso com o Leobino e logo se dizia pelas ruas:

Leobino tava cagando
Lá no fundo da estação
Veio uma bala perdida
Botou Leobino no chão.

Triste sina Leobino; se tivesse conversado com meu pai, o sucedido não teria acontecido.

Meu bravo Pescoço, traz a conta meu amigo.

          
         

Um comentário:

  1. Eita, Sávio Almeida. Tá cada vez melhor. Mas o bichinho do Leobino não merecia essa sorte não.

    ResponderExcluir