Translation

sábado, 19 de julho de 2014

Memória e cotidiano: cozinha, brazulaque, carneiro e fava

Brazulaque e carneiro com fava

Luiz Sávio de Alrneida












Acordo, espero o Fiúza para irmos apanhar o Sidney e rumarmos para café com o Aldo Rebelo. Eis senão quando sente-se a necessidade de um dístico e os poetas, depois de mil confabulações, conseguem compor nobres versos camonianos: nada melhor,  numa  churrascaria, do que uma boa poesia. Espetinho de versos, disse a Maria Lopes, com uma ponta de deboche.

A sagrada bandeira da pátria capalense

A Viçosa
Tomamos o caminho da Capela, Fiúza mostrou onde era a zona (na verdade eu tive um tio que montou bodega no local), vimos a Igreja onde me batizei, passamos na estação, louvamos a beleza do Grupo, lembramos do Sadi Cabral, passamos no primo Neuton e tomamos o destino da Viçosa, sem deixar de lembrar do Natalicio de Almeida.
Vai que encontramos a primeira placa anunciando o famoso motel regional: Dallas. Apareceu outra, com o motel dizendo-se a 11 quilômetros,  como se estivesse motivando: ‘Amigo, cana tem pelo, não desista que você chega lá’. E não passamos pelo Dallas; fomos pelo Sabalanga.  Tínhamos que pegar a estrada para Mar Vermelho, mas a tradição levou-me a Padaria (próximo relato) que sempre frequentei na Viçosa e saímos para o Aldo, pegando a estrada que tem o nome de um inesquecível amigo, o José Aprígio. Fiquei em busca de uma placa varias vezes por mim e por meu filho fotografada: Zezinho dos Usados. Os usados do Zezinho tinham acabado e garrei a pensar no que havia acontecido com ele.
O carro anda, pega a esquerda, sobe e, de repente, uma casinha branca e a primeira surpresa culinária do dia: um belíssimo brazulaque. Se brazulaque é extraordinário, avalie quando o leite é da vaca Única. Comemos e enchemos a pança (o Aldo até mandou fritar mais ovo) ao som de conversa sobre política e dia-a-dia. Fiuza é magro e come muito; Sidney é gordo e come muito;  Aldo é magro e come pouco. Isto me intrigou,  fiquei calado pensando na misteriosa relação entre comer e ser gordo ou magro, desde que não se pode ser O Gordo e O Magro, direitos autorais americanos. Só americano consegue ser 0 Gordo e o Magro.

Mar Vermelho


Mar Vermelho

Decidimos ganhar o mundo e o dilema seria onde encontrar uma churrascaria que correspondesse ao lema da expedição, rimando com poesia. Veio o rumo do Mar Vermelho,onde sentado numa praça ouvi uma musica impressionante, sobre a historia de um vaqueiro que se apaixona por uma moça de minissaia verde e o cavalo dele vai às portas da morte com ciúmes.

       
Tanque d'Arca

Tanque d'Arca
Sidney se lembra dos versos, uma espécie de espanto e tristeza do vaqueiro: ‘Nunca pensei que animal tivesse sentimento: Eita cavalo ciumentol’. Visitamos Mar Vermelho e para onde iríamos? Tomar o caminho de Viçosa? Qual a razão de nao ficarmos no Geraba e irmos almoçar na Churrascaria Caroman? Ela pertencia a Rosa que havia se aposentado dos Correios e, além do mais, via-se a graça da maviosa Cicera, perfunctoriamente falando. Todos nos aceitamos a beleza do carneiro guizado. Está aí, um endereço para quem  for ver as maravilhas da estrada que vai da Viçosa à Tanque d'Arca: Churrascaria Caroman, lá no Geraba, após o Tangil. Peça carneiro e se assuste como é bom. Além dos mais, a cachaça com raízes é de bom gosto, apesar de ser de coluna, o que n ão me agrada, mas a raiz temperou bem e muito bem por sinal.

[1] Texto publicado na edição do dia 23 de novembro de 2007, O Jornal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário